Econativus e Serra de Itabaiana, uma paixão antiga.

O Econativus é um grupo que se reune para praticar ecoturismo e turismo ecológico em algumas serras de Sergipe. Um das mais conhecidas é a Serra de Itabaiana, uma das mais belas serras de Sergipe, abaixo estou postanto algo sobre o Parque Nacional Serra de Itabaiana, vale a pena ler.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana não estava previsto no projeto inicial, considerando que em 2003, quando teve início este trabalho, o parque ainda não havia sido criado. A criação do parque aconteceu em 15 de junho de 2005, assegurando a proteção de uma área de 7.966 hectares, composta por biomas de Mata Atlântica e Caatinga e outros recursos naturais.

O parque está totalmente em Sergipe, distante apenas 40 km de Aracaju, abrange os municípios de Areia Branca, Itabaiana, Laranjeiras, Itaporanga D`ajuda e Campo do Brito. A cobertura vegetal original do Estado de Sergipe foi altamente reduzida e segundo alguns estudos realizados no que se refere à Mata Atlântica, resta apenas 0,1 % da cobertura inicial. O parque vem atender esta demanda preservacionista, considerando que Sergipe é um dos Estados do Brasil com menor percentual de áreas protegidas e conta apenas com uma área de proteção integral, a Reserva Biológica de Santa Isabel.

A consolidação do parque se deu graças a grande luta de ambientalistas e pessoas ligadas a órgãos federais e estaduais, que não mediram esforços para que a unidade fosse criada. A atual chefe da unidade, Valdineide Barbosa de Santana, foi uma destas lutadoras e passou anos envolvida com o processo e hoje se sente aliviada por ter conseguido sensibilizar as autoridades e ter a criação do parque devidamente efetivada. Valdineide diz ainda que a pressão por parte de fazendeiros, políticos e proprietários de terra foi grande contra a criação, mas o bom senso prevaleceu.

O grande ícone do parque é mesmo a Serra de Itabaiana, uma grande montanha que lembra os grande Tepuis da Venezuela, que são montanhas em forma de mesa. A origem do nome tem várias versões e numa delas, na etimologia da língua TUPI, temos `ita` que significa pedra, `taba` aldeia e `oane` alguém, ou seja, `naquela pedra mora alguém`.

A trilha da Via Sacra corta parte da serra e ficou famosa por atrair fiéis de várias regiões, que todos os anos vem para a região pagar promessas e participar da grande romaria que acontece na Semana Santa. Em todo o percurso são encontradas quinze estações onde os fiéis param, rezam e depois prosseguem até a próxima parada. A trilha é o melhor caminho para se chegar no alto e leva em média 2 horas e meia, dependendo do ritmo da caminhada. O visual que cerca a subida é deslumbrante, é possível ver a transição gradativa da vegetação e um imponente penhasco à esquerda da subida.

No topo da serra, a cerca de seiscentos metros de altitude, a vegetação é rica em bromélias e foi identificada uma interessante floresta de conífera. Uma pequena igreja com um cruzeir o é cenário de várias manifestações religiosas e a construção está cercada de antenas repetidoras de rádio. Nas bordas do imenso paredão rochoso, algumas florestas de galeria, com vegetação de mata atlântica. Nos campos de altitude, é possível ver, com um pouco de sorte, seriemas, veados e aves da família dos titonídeos como a coruja suindara. O Penhasco dos Falcões, a Pedra da Tartaruga também podem ser vistos nas trilhas do parque.

Na parte baixa, uma pequena cachoeira de águas límpidas e alguns poços d`água vão se formando no leito do ribeirão que desce a serra. O solo é raso e as rochas são de quartzito claro, que realça a beleza das águas que correm e saltam no seu leito rochoso.

Em tempos passados, a suspeita da existência de minas de prata na Serra de Itabaiana, o que, mesmo não tendo se confirmado, continuou motivando durante muito tempo à vinda de forasteiros em busca deste tesouro que só estava presente no imaginário. Atualmente, a maior riqueza do lugar são as belezas naturais que já há muitos anos vem atraindo turistas que vêm normalmente para se refrescar no Poço das Moças, o atrativo mais procurado do parque. O poço tem este nome depois que caçadores avistaram duas moças tomando banho e logo depois elas desapareceram, sem deixar vestígios. No mesmo lugar, um escorregador natural diverte as crianças que deslizam na rocha e caem nas águas claras do poço. As águas vão descendo rocha abaixo, e vários outros poços menos freqüentados se formam compondo belos cenários. Partindo do poço, com 10 minutos de caminhada está a Gruta da Serra, nela a tímida Cachoeira do Cipó, divide o espaço com raízes entrelaçadas, vale conhecer.Numa de suas encostas da serra, o Riacho Coqueiro serpenteia e depois deságua no rio Jacarecica, um dos principais recursos hídricos da região. A serra abriga ainda várias outras nascentes importantes como a do riacho Água Fria e Vermelho, reforçando a necessidade da preservação de todo o complexo de Itabainana.

O parque por ser recém criado, está sendo descoberto agora e muitos atrativos ainda permanecem escondidos. Uma das metas da dir eção da unidade é explorar áreas selvagens e descobrir locais interessantes e adequá-los para a visitação pública. Atual
mente já acontecem todos os meses palestras de educação ambiental na sede do parque, onde alunos das escolas da regiã o podem ver de perto elementos da natureza que eles só viam em livros e praticar a conscientização de proteger e manter o lugar limpo, uma prática pouco comum por aqui.

Quanto ao uso para pesquisas e estudos científicos, a Serra de Itabaiana recebe a visita de pesquisadores, especialmente ecólogos, botânicos e zoólogos, que utilizaram a Serra para realização de estudos, principalmente para coleta de material botânico e zoológico.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana foi sem dúvida uma grande vitória para os ambientalistas de Sergipe, a invasão dos canaviais em todo Estado, devastando o pouco de florestas que ainda resta é uma triste realidade local. A criação do parque resguardou definitivamente estas pequenas manchas de Mata Atlântica que resistiram ao tempo e agora estão oficialmente protegidas.


Canyon de Xingó

O esforço conjunto do homem e da natureza deu ao Agreste sergipano um dos mais belos espetáculos do planeta. Paisagens belíssimas, formações rochosas deslumbrantes, água cristalina, trilhas ecológicas, vegetação exuberante e fauna diversificada: Isso é Xingó, localizado no município de Canindé do São Francisco, a 213 km da capital.

Navegar por entre as rochas dessa gigantesca muralha encravada no meio do Alto Sertão de Sergipe é algo inesquecível. São vales grandiosos, formando canyons de até 50 mt de altura, circundando um lago que, em alguns pontos, atinge até 190 metros de profundidade. Ninhais de garças e ilhas flutuantes completam o espetáculo. Em Xingó, a natureza caprichou em todos os detalhes.

As rochas guardam vestígios dos primeiros habitantes da região, que ali viveram a mais de oito mil anos atrás. E, também, as marcas das andanças do bando de Virgolino Ferreira da Silva, o Lampião, em tempos menos distantes. A trilha de Angico, no município de Poço Redondo, leva à grota do mesmo nome, local onde morreram Lampião, Maria Bonita e mais nove companheiros.

Ver e dar um mergulho no rio São Francisco é uma emoção muito forte, uma experiência cheia de energia. Mas emocionante, mesmo, é conhecer o Canyon de São Francisco e o Lago de Xingó - resultado do represamento de parte do rio para a construção da Hidrelétrica de Xingó -.

Mergulhar nas suas águas esverdeadas e sentir a grandiosidade proporcionada por paredões de arenito rochoso, contrastando com pássaros de diversas espécies é um espetáculo à parte.

Em pleno semi-árido nordestino, na porta de entrada da caatinga, tendo ao fundo a Serra do Chapéu de Couro, o canyon, com seu lago navegável por 60 quilômetros - de Xingó a Paulo Afonso - oferece deslumbramento em cada reentrância de seus paredões.

As antes inavegáveis corredeiras deram lugar a águas mais calmas, possibilitando inesquecíveis passeios de catamarã num labirinto de belíssimas formações rochosas, de 60 milhões de anos de existência, que infundem respeito e admiração em quem as contempla.

De catamarã ou lancha, percorrer esse mar em pleno sertão - que une os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco - é uma sucessão de belas imagens, geradas pela evolução dos pássaros ao entardecer e pelas formas de seus rochedos, identificados um a um pelos ribeirinhos. O mais famoso é a Pedra da Águia, um capricho da natureza com a forma da ave. Todos os passeios incluem paradas para mergulho, sendo um dos melhores pontos a Gruta do Talhado.

Não deixe de visitar a Usina de Xingó. A visita começa com apresentação de vídeos sobre a obra e termina com um passeio pelas barragens de desvio. É impressionante a grandeza da Hidrelétrica, a terceira maior do Brasil, com seis turbinas.
Para os amantes da natureza opções não faltam. Uma caminhada pela trilha do Vale dos Mestres é algo deslumbrante e dura cerca de duas horas. A partir do leito seco de um riacho, próximo ao povoado Curituba, a 30 km da sede do município, o visitante conhece a vegetação típica da caatinga, a fauna do sertão e os paredões de arenito rochoso, com pinturas rupestres de mais de três mil anos.

São inúmeras as opções de passeios nas margens do Velho Chico, entre Sergipe e Alagoas. Na parte não represada do rio, um passeio de catamarã leva à Grota de Angico, já no município vizinho de Poço Redondo. Lugar cheio de mistério a 750 metros da margem do rio, na grota morreram Lampião e mais nove integrantes do bando, emboscados pela volante do tenente João Bezerra.

Dotado de belíssimas paisagens, praias fluviais como as de Curralinho, Bom Sucesso, Cajueiro e Angico, as serras Negra – ponto culminante do Estado – e Guia, e trilhas ecológicas por entre a vegetação típica da caatinga, o município de Poço Redondo abriga, também, vários sítios arqueológicos, nos quais foram encontrados materiais líticos e fósseis pré-históricos.

Historicamente, Poço Redondo é conhecido por ter sido o cenário do Cangaço. O povoado Maranduba foi o palco da última grande batalha do grupo de Lampião, morto na Grota de Angico, em 1938.

Mais registros da história do Cangaço brevemente poderão ser vistos no Memorial do Cangaço, que está sendo construído na cidade de Poço Redondo.

Cachoeira do São Francisco - Macambira Sergipe

Fica a 74 quilometros de Aracaju em uma reserva de Mata Atlântica. É conheciada como Cachoeira de São Francisco sendo considerada a mais bonita do estado. Para chegar lé você segue pela BR-101 e pega o viaduto via BR-232, sentido Itabaiana. Passando dessa cidade, pega o trevo via Campo do Brito, São Domingos e Macambira. Segue até a sede de Macambira, passa o Mercado, o Matadouro e segue na estrada velha do Pião. Nessa altura, peça orientação a alguém da comunidade (não há placa). A cancela da Fazenda Jacoca é à esquerda, se você estiver no sentido de ida. Caso esteja de carro, será necessário deixá-lo fora. Segue a pé por volta de um quilômetro dentro da propriedade até o som da cachoeira.

O lugar ainda não é explorado pela infra-estrutura turística.
Logo após a cachoeira, há o Poço da Arara. Ele fica na Fazenda Capitão, um lugar freqüentado por quem curte banhar-se nas águas do Rio Vaza-Barris.
Lembrete: se for passar o dia, leve comida , água e sacos para lixo.

Macambira tem uma grande área florestal que compreende a Fazenda Jacoca, onde está localizada a Cachoeira do São Francisco, uma das mais bonitas de Sergipe. Apesar de uma visão encantadora, ela está longe de se tornar um importante ponto turístico pela dificul dade de acesso e a falta de infra-estrutura.

O Poço da Arara é outra beleza que a natureza presenteou ao município. Fica na Fazenda Capitão, logo após a cachoeira, e é um lugar bastante freqüentado por pessoas de fora da cidade que vão banhar-se nas águas transparentes do Rio

Vaza-Barris.


Pantanal de Pacatuba - Costa dos Manguezais

Sergipe tem um pantanal. Parece até conversa de pescador, mas o Pantanal de Pacatuba, também conhecido como Pantanal Nordestino é composto de 40 Km² de área verde que reúne uma biodiversidade pântanos, manguezais, dunas, mar e Mata Atlântica formando um cenário harmonioso de fauna e flora. Fica localizado entre a foz do rio São Francisco e a Reserva de Santa Isabel, banhado por águas límpidas e transparentes do rio Poxim, um afluente do Velho Chico.

Intocado e preservado, essa região reserva aos visitantes um belo espetáculo, particularmente quando ocorre a cheia, nos meses de junho, julho e agosto. Nesse ecossistema sergipano você poderá encontrar macacos de várias espécies, dentre elas o Guigó, lontras, capivaras e jacarés do papo amarelo (ameaçado de extinção).

Vale contemplar, caminhar pela areia da praia, perceber a rica flora composta de plantas aquáticas raras, bromélias, mandacarus, mangabeiras, cajueiros, mandacarus e outras espécies de cactos.

A infra-estrutura turística do município ainda é mínima. Há apenas uma pousada em casa de família. No Pantanal, o melhor restaurante é o do Juarez e na sede do município vale visitar o restaurante do Zé Antônio.Ou seja, leve o lanche de sua preferência. Sempre vale lembrar de não sujar o meio ambiente.

São três as sugestões de como chegar. O primeiro é via BR-101, de Aracaju a Pacatuba são 116 quilômetros. Entrar à direita em frente a Polícia Rodoviária Federal, em Malhada dos Bois, em direção a Neópolis. Segue até o povoado Tatu. A partir desse ponto são seis quilômetros até a cidade.

A segunda opção é indo pela ponte Aracaju-Barra, via Aguilhadas. Atravesse a ponte e siga em direção ao município de Pirambu. No entroncamento de Pirambu, pegue à direita até a entrada do povoado Aguilhadas. Pela estrada de chão são 83 km.

A terceira e última tmbém é pela ponte Aracaju-Barra, via Japaratuba. Atravesse a ponte e siga em direção a Pirambu. No entroncamento de Pirambu pegue à direita e siga para Japaratuba e pegue a BR-101 em direção a Neópolis.

Ele é considerado um exemplo de conservação da natureza por manter ainda intacta uma extensa região de rara biodiversidade. O Pantanal guarda muitas surpresas para quem aprecia um programa voltado com o contato com a natureza. O passeio de canoa é uma indispensável opção para os amantes da ecologia.

Lagoa Redonda: um paraíso em Pirambu Sergipe


A lagoa fica a 19km de Pirambu e recebeu o nome de Redonda devido ao seu formato circular, embora dê voltas e voltas no mangue. Se tiver tempo, banhe-se durante cinco dias consecutivos nas águas da lagoa para encontrar um amor eterno e consolidar uma grande amizade. Assim diz a lenda e, para os supersticiosos, é um bom motivo para ficar na localidade, mas, para os aventureiros, os cinco dias são apenas um aperitivo diante de tanta beleza para apreciar.
As dunas que der
ramam suas areias no riacho da lagoa, conhecido como “pequeno deserto”, transformam o lugar em um verdadeiro oásis. Do alto das dunas, a vista tem duas direções: uma para o mar e outra para o manguezal. Mas, além de apreciar a beleza, o melhor é descer as dunas de sandboard ou de skibunda – uma versão mais simples do primeiro, descendo sentado sobre uma prancha.
Muitas pessoas acampam à beira do riacho só para praticar esse esporte radical. Não seria para menos, há um paredão de areia enorme que p
roporciona uma descida alucinante que acaba com um mergulho na lagoa. O acampamento é rústico, mas os aventureiros têm o suporte da Barraca do Ji, que libera o banheiro e prepara o almoço do pessoal com um cardápio de frutos do mar por R$15 um prato para duas pessoas. Se quiser um pouco mais de conforto, tem o Camping Paraíso da Lagoa Redonda, mais bem estruturado e a apenas 1km do riacho, com preço de R$10 reais por pessoa.
Seguindo em direção ao norte, o turista chega à Lagoa do Sangradouro, a maior de Sergipe, localizada a 22km de Pirambu. Próxima à lagoa, cheia de lendas e histórias, está o Morro da Lucrécia. Os nativos contam que, há muitos anos, uma menina chamada Lucrécia foi engolida pela dunas e quem vai ao lugar sozinho costuma ouvir os seus chamados. A subida do morro e areia tem cerca de 25m e do topo a vista é surpreendente. Avista-se uma imensa cratera preenchida com uma porção de água – Lagoa Azul –, em meio ao deserto. A temperatura da lagoa é amena, o que propícia um banho bem relaxante.

Serra da Miaba: um paraíso em São Domingos

A famosa Serra da Miaba (3ª maior do Estado, ficando a 630 m acima do nível do mar), localizada no Município de São Domingos, distante 76 km de Aracaju.


Seu ponto mais alto chamado de 'Cruzeiro', onde existem três cruzes fincadas na terra. Várias pessoas freqüentam este lugar não apenas pela sua beleza, mas também por acreditar no poder de Deus, fazendo e pagando promessas lá do alto da Serra.
A vista ao 'Cruzeiro' é fascinante, o ar é puro e pode-se visualizar a imensa beleza de lá de cima. A partir daí é só descida até a "recompensa". Um lugar escondido no meio da Serra faz brilhar os olhos de todos que frequentam aquele lugar.


O 'Poço 17', como é chamado, possui algumas pequenas cachoeiras, uma piscina natural refrescante de águas geladas maravilhosa, pedras modeladas pela queda d'água e uma vegetação perfeita, onde as fotos dizem tudo.

Contos populares - O nome dado a Serra da Miaba, de acordo com o povo mais antigo do local, se deu pelo fato de uma linda mulher, chamada Miaba, atrair os homens que passavam com sua beleza. Essa 'História' é passada de geração em geração, não sendo difícil ouvi-la da boca de crianças de 5 anos de idade.
Além das trilhas da Serra, o Município de São Domingos possui a maior ponte do Estado (relativo à altura), com 75m de altura. Para os adoradores de esportes radicais, é uma boa pedida. Lá são feitos rappel e saltos de big jump, que dão ao esportista o prazer e a liberdade de estar em contato direto com a natureza.

Poções de Ribeira Itabaiana


Uma seqüência de mais de oito poços de água doce está localizada no município de Itabaiana. Para os aventureiros, vale rapel, escalada entre os paredões rochosos por onde a segue a correnteza. Ou para os amantes da natureza, nada como um belo banho nas suas águas.

Para quem tem maior preparo físico e disposição, sempre uma boa pedida é subir os poções da Ribeira de um a um. Um desafio que requer uma certa programação, conhecimento da intensidade das águas do Rio das Pedras, onde acampar e qual a melhor época do ano.

Os poços de Ribeira são uma atração irresistível para os amantes do turismo de aventura. A densa vegetação nativa faz um contraste maravilhoso com os paredões que chegam a 100 metros. Há 10 pontos excelentes para prática do rapel.

Os moradores locais sempre recomendam os banhos no verão, quando a água fica um pouco mais quente. E acrescentam que para fazer uma visita, vale dias mais calmos – ou seja, fuja dos domingos.

MAIORES SERRAS DE SERGIPE

Localização Altitude

Serra Negra
Poço Redondo
750m

Serra de Itabaiana
Itabaiana
650m

Serra de Gougogi
Tobias Barreto
600m

Serra dos Palmares
Riachão do Dantas
550m

Serra do Curral Novo
Riachão do Dantas
550m

Serra do Boqueirão
Riachão do Dantas
500m

Serra Carnaúba
Riachão do Dantas
500m

Serra dos Oiteiros
Lagarto
500m

Serra do Cajueiro
Itabaiana
500m

Serra da Miaba
Campo do Brito
500m

Serra Comprida
Areia Branca
400m