Econativus e Serra de Itabaiana, uma paixão antiga.

O Econativus é um grupo que se reune para praticar ecoturismo e turismo ecológico em algumas serras de Sergipe. Um das mais conhecidas é a Serra de Itabaiana, uma das mais belas serras de Sergipe, abaixo estou postanto algo sobre o Parque Nacional Serra de Itabaiana, vale a pena ler.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana não estava previsto no projeto inicial, considerando que em 2003, quando teve início este trabalho, o parque ainda não havia sido criado. A criação do parque aconteceu em 15 de junho de 2005, assegurando a proteção de uma área de 7.966 hectares, composta por biomas de Mata Atlântica e Caatinga e outros recursos naturais.

O parque está totalmente em Sergipe, distante apenas 40 km de Aracaju, abrange os municípios de Areia Branca, Itabaiana, Laranjeiras, Itaporanga D`ajuda e Campo do Brito. A cobertura vegetal original do Estado de Sergipe foi altamente reduzida e segundo alguns estudos realizados no que se refere à Mata Atlântica, resta apenas 0,1 % da cobertura inicial. O parque vem atender esta demanda preservacionista, considerando que Sergipe é um dos Estados do Brasil com menor percentual de áreas protegidas e conta apenas com uma área de proteção integral, a Reserva Biológica de Santa Isabel.

A consolidação do parque se deu graças a grande luta de ambientalistas e pessoas ligadas a órgãos federais e estaduais, que não mediram esforços para que a unidade fosse criada. A atual chefe da unidade, Valdineide Barbosa de Santana, foi uma destas lutadoras e passou anos envolvida com o processo e hoje se sente aliviada por ter conseguido sensibilizar as autoridades e ter a criação do parque devidamente efetivada. Valdineide diz ainda que a pressão por parte de fazendeiros, políticos e proprietários de terra foi grande contra a criação, mas o bom senso prevaleceu.

O grande ícone do parque é mesmo a Serra de Itabaiana, uma grande montanha que lembra os grande Tepuis da Venezuela, que são montanhas em forma de mesa. A origem do nome tem várias versões e numa delas, na etimologia da língua TUPI, temos `ita` que significa pedra, `taba` aldeia e `oane` alguém, ou seja, `naquela pedra mora alguém`.

A trilha da Via Sacra corta parte da serra e ficou famosa por atrair fiéis de várias regiões, que todos os anos vem para a região pagar promessas e participar da grande romaria que acontece na Semana Santa. Em todo o percurso são encontradas quinze estações onde os fiéis param, rezam e depois prosseguem até a próxima parada. A trilha é o melhor caminho para se chegar no alto e leva em média 2 horas e meia, dependendo do ritmo da caminhada. O visual que cerca a subida é deslumbrante, é possível ver a transição gradativa da vegetação e um imponente penhasco à esquerda da subida.

No topo da serra, a cerca de seiscentos metros de altitude, a vegetação é rica em bromélias e foi identificada uma interessante floresta de conífera. Uma pequena igreja com um cruzeir o é cenário de várias manifestações religiosas e a construção está cercada de antenas repetidoras de rádio. Nas bordas do imenso paredão rochoso, algumas florestas de galeria, com vegetação de mata atlântica. Nos campos de altitude, é possível ver, com um pouco de sorte, seriemas, veados e aves da família dos titonídeos como a coruja suindara. O Penhasco dos Falcões, a Pedra da Tartaruga também podem ser vistos nas trilhas do parque.

Na parte baixa, uma pequena cachoeira de águas límpidas e alguns poços d`água vão se formando no leito do ribeirão que desce a serra. O solo é raso e as rochas são de quartzito claro, que realça a beleza das águas que correm e saltam no seu leito rochoso.

Em tempos passados, a suspeita da existência de minas de prata na Serra de Itabaiana, o que, mesmo não tendo se confirmado, continuou motivando durante muito tempo à vinda de forasteiros em busca deste tesouro que só estava presente no imaginário. Atualmente, a maior riqueza do lugar são as belezas naturais que já há muitos anos vem atraindo turistas que vêm normalmente para se refrescar no Poço das Moças, o atrativo mais procurado do parque. O poço tem este nome depois que caçadores avistaram duas moças tomando banho e logo depois elas desapareceram, sem deixar vestígios. No mesmo lugar, um escorregador natural diverte as crianças que deslizam na rocha e caem nas águas claras do poço. As águas vão descendo rocha abaixo, e vários outros poços menos freqüentados se formam compondo belos cenários. Partindo do poço, com 10 minutos de caminhada está a Gruta da Serra, nela a tímida Cachoeira do Cipó, divide o espaço com raízes entrelaçadas, vale conhecer.Numa de suas encostas da serra, o Riacho Coqueiro serpenteia e depois deságua no rio Jacarecica, um dos principais recursos hídricos da região. A serra abriga ainda várias outras nascentes importantes como a do riacho Água Fria e Vermelho, reforçando a necessidade da preservação de todo o complexo de Itabainana.

O parque por ser recém criado, está sendo descoberto agora e muitos atrativos ainda permanecem escondidos. Uma das metas da dir eção da unidade é explorar áreas selvagens e descobrir locais interessantes e adequá-los para a visitação pública. Atual
mente já acontecem todos os meses palestras de educação ambiental na sede do parque, onde alunos das escolas da regiã o podem ver de perto elementos da natureza que eles só viam em livros e praticar a conscientização de proteger e manter o lugar limpo, uma prática pouco comum por aqui.

Quanto ao uso para pesquisas e estudos científicos, a Serra de Itabaiana recebe a visita de pesquisadores, especialmente ecólogos, botânicos e zoólogos, que utilizaram a Serra para realização de estudos, principalmente para coleta de material botânico e zoológico.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana foi sem dúvida uma grande vitória para os ambientalistas de Sergipe, a invasão dos canaviais em todo Estado, devastando o pouco de florestas que ainda resta é uma triste realidade local. A criação do parque resguardou definitivamente estas pequenas manchas de Mata Atlântica que resistiram ao tempo e agora estão oficialmente protegidas.


Canyon de Xingó

O esforço conjunto do homem e da natureza deu ao Agreste sergipano um dos mais belos espetáculos do planeta. Paisagens belíssimas, formações rochosas deslumbrantes, água cristalina, trilhas ecológicas, vegetação exuberante e fauna diversificada: Isso é Xingó, localizado no município de Canindé do São Francisco, a 213 km da capital.

Navegar por entre as rochas dessa gigantesca muralha encravada no meio do Alto Sertão de Sergipe é algo inesquecível. São vales grandiosos, formando canyons de até 50 mt de altura, circundando um lago que, em alguns pontos, atinge até 190 metros de profundidade. Ninhais de garças e ilhas flutuantes completam o espetáculo. Em Xingó, a natureza caprichou em todos os detalhes.

As rochas guardam vestígios dos primeiros habitantes da região, que ali viveram a mais de oito mil anos atrás. E, também, as marcas das andanças do bando de Virgolino Ferreira da Silva, o Lampião, em tempos menos distantes. A trilha de Angico, no município de Poço Redondo, leva à grota do mesmo nome, local onde morreram Lampião, Maria Bonita e mais nove companheiros.

Ver e dar um mergulho no rio São Francisco é uma emoção muito forte, uma experiência cheia de energia. Mas emocionante, mesmo, é conhecer o Canyon de São Francisco e o Lago de Xingó - resultado do represamento de parte do rio para a construção da Hidrelétrica de Xingó -.

Mergulhar nas suas águas esverdeadas e sentir a grandiosidade proporcionada por paredões de arenito rochoso, contrastando com pássaros de diversas espécies é um espetáculo à parte.

Em pleno semi-árido nordestino, na porta de entrada da caatinga, tendo ao fundo a Serra do Chapéu de Couro, o canyon, com seu lago navegável por 60 quilômetros - de Xingó a Paulo Afonso - oferece deslumbramento em cada reentrância de seus paredões.

As antes inavegáveis corredeiras deram lugar a águas mais calmas, possibilitando inesquecíveis passeios de catamarã num labirinto de belíssimas formações rochosas, de 60 milhões de anos de existência, que infundem respeito e admiração em quem as contempla.

De catamarã ou lancha, percorrer esse mar em pleno sertão - que une os estados da Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco - é uma sucessão de belas imagens, geradas pela evolução dos pássaros ao entardecer e pelas formas de seus rochedos, identificados um a um pelos ribeirinhos. O mais famoso é a Pedra da Águia, um capricho da natureza com a forma da ave. Todos os passeios incluem paradas para mergulho, sendo um dos melhores pontos a Gruta do Talhado.

Não deixe de visitar a Usina de Xingó. A visita começa com apresentação de vídeos sobre a obra e termina com um passeio pelas barragens de desvio. É impressionante a grandeza da Hidrelétrica, a terceira maior do Brasil, com seis turbinas.
Para os amantes da natureza opções não faltam. Uma caminhada pela trilha do Vale dos Mestres é algo deslumbrante e dura cerca de duas horas. A partir do leito seco de um riacho, próximo ao povoado Curituba, a 30 km da sede do município, o visitante conhece a vegetação típica da caatinga, a fauna do sertão e os paredões de arenito rochoso, com pinturas rupestres de mais de três mil anos.

São inúmeras as opções de passeios nas margens do Velho Chico, entre Sergipe e Alagoas. Na parte não represada do rio, um passeio de catamarã leva à Grota de Angico, já no município vizinho de Poço Redondo. Lugar cheio de mistério a 750 metros da margem do rio, na grota morreram Lampião e mais nove integrantes do bando, emboscados pela volante do tenente João Bezerra.

Dotado de belíssimas paisagens, praias fluviais como as de Curralinho, Bom Sucesso, Cajueiro e Angico, as serras Negra – ponto culminante do Estado – e Guia, e trilhas ecológicas por entre a vegetação típica da caatinga, o município de Poço Redondo abriga, também, vários sítios arqueológicos, nos quais foram encontrados materiais líticos e fósseis pré-históricos.

Historicamente, Poço Redondo é conhecido por ter sido o cenário do Cangaço. O povoado Maranduba foi o palco da última grande batalha do grupo de Lampião, morto na Grota de Angico, em 1938.

Mais registros da história do Cangaço brevemente poderão ser vistos no Memorial do Cangaço, que está sendo construído na cidade de Poço Redondo.