Econativus e Serra de Itabaiana, uma paixão antiga.

O Econativus é um grupo que se reune para praticar ecoturismo e turismo ecológico em algumas serras de Sergipe. Um das mais conhecidas é a Serra de Itabaiana, uma das mais belas serras de Sergipe, abaixo estou postanto algo sobre o Parque Nacional Serra de Itabaiana, vale a pena ler.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana não estava previsto no projeto inicial, considerando que em 2003, quando teve início este trabalho, o parque ainda não havia sido criado. A criação do parque aconteceu em 15 de junho de 2005, assegurando a proteção de uma área de 7.966 hectares, composta por biomas de Mata Atlântica e Caatinga e outros recursos naturais.

O parque está totalmente em Sergipe, distante apenas 40 km de Aracaju, abrange os municípios de Areia Branca, Itabaiana, Laranjeiras, Itaporanga D`ajuda e Campo do Brito. A cobertura vegetal original do Estado de Sergipe foi altamente reduzida e segundo alguns estudos realizados no que se refere à Mata Atlântica, resta apenas 0,1 % da cobertura inicial. O parque vem atender esta demanda preservacionista, considerando que Sergipe é um dos Estados do Brasil com menor percentual de áreas protegidas e conta apenas com uma área de proteção integral, a Reserva Biológica de Santa Isabel.

A consolidação do parque se deu graças a grande luta de ambientalistas e pessoas ligadas a órgãos federais e estaduais, que não mediram esforços para que a unidade fosse criada. A atual chefe da unidade, Valdineide Barbosa de Santana, foi uma destas lutadoras e passou anos envolvida com o processo e hoje se sente aliviada por ter conseguido sensibilizar as autoridades e ter a criação do parque devidamente efetivada. Valdineide diz ainda que a pressão por parte de fazendeiros, políticos e proprietários de terra foi grande contra a criação, mas o bom senso prevaleceu.

O grande ícone do parque é mesmo a Serra de Itabaiana, uma grande montanha que lembra os grande Tepuis da Venezuela, que são montanhas em forma de mesa. A origem do nome tem várias versões e numa delas, na etimologia da língua TUPI, temos `ita` que significa pedra, `taba` aldeia e `oane` alguém, ou seja, `naquela pedra mora alguém`.

A trilha da Via Sacra corta parte da serra e ficou famosa por atrair fiéis de várias regiões, que todos os anos vem para a região pagar promessas e participar da grande romaria que acontece na Semana Santa. Em todo o percurso são encontradas quinze estações onde os fiéis param, rezam e depois prosseguem até a próxima parada. A trilha é o melhor caminho para se chegar no alto e leva em média 2 horas e meia, dependendo do ritmo da caminhada. O visual que cerca a subida é deslumbrante, é possível ver a transição gradativa da vegetação e um imponente penhasco à esquerda da subida.

No topo da serra, a cerca de seiscentos metros de altitude, a vegetação é rica em bromélias e foi identificada uma interessante floresta de conífera. Uma pequena igreja com um cruzeir o é cenário de várias manifestações religiosas e a construção está cercada de antenas repetidoras de rádio. Nas bordas do imenso paredão rochoso, algumas florestas de galeria, com vegetação de mata atlântica. Nos campos de altitude, é possível ver, com um pouco de sorte, seriemas, veados e aves da família dos titonídeos como a coruja suindara. O Penhasco dos Falcões, a Pedra da Tartaruga também podem ser vistos nas trilhas do parque.

Na parte baixa, uma pequena cachoeira de águas límpidas e alguns poços d`água vão se formando no leito do ribeirão que desce a serra. O solo é raso e as rochas são de quartzito claro, que realça a beleza das águas que correm e saltam no seu leito rochoso.

Em tempos passados, a suspeita da existência de minas de prata na Serra de Itabaiana, o que, mesmo não tendo se confirmado, continuou motivando durante muito tempo à vinda de forasteiros em busca deste tesouro que só estava presente no imaginário. Atualmente, a maior riqueza do lugar são as belezas naturais que já há muitos anos vem atraindo turistas que vêm normalmente para se refrescar no Poço das Moças, o atrativo mais procurado do parque. O poço tem este nome depois que caçadores avistaram duas moças tomando banho e logo depois elas desapareceram, sem deixar vestígios. No mesmo lugar, um escorregador natural diverte as crianças que deslizam na rocha e caem nas águas claras do poço. As águas vão descendo rocha abaixo, e vários outros poços menos freqüentados se formam compondo belos cenários. Partindo do poço, com 10 minutos de caminhada está a Gruta da Serra, nela a tímida Cachoeira do Cipó, divide o espaço com raízes entrelaçadas, vale conhecer.Numa de suas encostas da serra, o Riacho Coqueiro serpenteia e depois deságua no rio Jacarecica, um dos principais recursos hídricos da região. A serra abriga ainda várias outras nascentes importantes como a do riacho Água Fria e Vermelho, reforçando a necessidade da preservação de todo o complexo de Itabainana.

O parque por ser recém criado, está sendo descoberto agora e muitos atrativos ainda permanecem escondidos. Uma das metas da dir eção da unidade é explorar áreas selvagens e descobrir locais interessantes e adequá-los para a visitação pública. Atual
mente já acontecem todos os meses palestras de educação ambiental na sede do parque, onde alunos das escolas da regiã o podem ver de perto elementos da natureza que eles só viam em livros e praticar a conscientização de proteger e manter o lugar limpo, uma prática pouco comum por aqui.

Quanto ao uso para pesquisas e estudos científicos, a Serra de Itabaiana recebe a visita de pesquisadores, especialmente ecólogos, botânicos e zoólogos, que utilizaram a Serra para realização de estudos, principalmente para coleta de material botânico e zoológico.

O Parque Nacional Serra de Itabaiana foi sem dúvida uma grande vitória para os ambientalistas de Sergipe, a invasão dos canaviais em todo Estado, devastando o pouco de florestas que ainda resta é uma triste realidade local. A criação do parque resguardou definitivamente estas pequenas manchas de Mata Atlântica que resistiram ao tempo e agora estão oficialmente protegidas.


0 comentários: