ACAMPAMENTO NA RIBEIRA – SERGIPE, MAIS UMA VEZ SUPERANDO EXPECTATIVAS

O último acampamento de deste ano foi marcado por fortes emoções, entre elas a saga de pessoas que venceram o medo e mesmo sem saber nadar direito enfrentaram vários paredões rochosos para chegar à bela cachoeira, e como esse esforço valeu a pena, pois assim como dizia o ilustre poeta português Fernando Pessoa “tudo vale a pena quando a alma não é pequena”, e assim ocorreu mais

um acampamento na Ribeira, na maior das normalidades, cheio de aventuras, superações e surpresas. Acampamento que contou com a presença de 19 campistas alguns “marinheiros de primeira viagem” e outros já acostumados com a região, mais todos com o mesmo intuito, admirar e curtir tudo de bom que a natureza oferece.

O que mais agradou o grupo, como já esperávamos, foi a trilha que leva a cachoeira, um lugar exuberante e cheio de obstáculos incríveis, onde os trilheiros precisam contar com bastante preparo físico pois a trilha exige mesmo.

A noite aconteceu um luau como de costume, onde todos parti-

ciparam entusiasmados até a chegada da tão esperada neblina, um dos momentos que jamais saem da memória de quem participa dos campings organizados pelo grupo.

Na segunda-feira quando todos já se preparavam para deixar o acampamento, surgiram três pequenos pescadores um tanto diferentes, eram três garotinhos o José, o Odair e o Giovanni que chamaram nossa atenção pela maneira que pescavam seus peixes os “Acaris”. Eles inacreditavelmente pega-os com as mãos, sem ajuda de luvas, redes ou anzóis, e um trabalho feito em equipe, muito interessante, uma verdadeira lição de vida transmitida por três pequeninas crianças.

Para todos ficou um gostinho de quero mais, apesar de ter sido 3 dias de aventuras, (considerado o máximo de dias em camping na Ribeira feito pelo Econativus), o grupo sentiu uma pontinha de saudades quando desarmaram as barracas, mas isso já era de esperar.

O grupo Econativus agradece a participação de todos neste que foi o último acampamento de 2010 e vem lembrar que os campings continuaram no próximo ano e teremos grandes novidades e surpreendentes trilhas para todos.

Um grande abraço

Grupo Econativus

O QUE LEVAR EM UM ACAMPAMENTO?

Dicas para escolher roupas e calçados e como arrumá-los na mochila


Raquel Hoshino

Algumas coisas são essenciais, outras dependem do clima de onde se vai acampar e das atividades que você irá fazer (raftings, caminhadas, visita a museus, tomar sol na praia) durante a viagem. Analise o clima do local e só então separe as roupas. Lembre-se também de não levar os melhores itens de seu armário. Coloque na mochila as "roupas de briga", aquelas que possam ser manchadas e ficar sujas de lama e terra. Evite levar calçados novos ou que você não tenha "amaciado". Eles costumam provocar bolhas.


ITENS ESSENCIAIS

. Kit de primeiros socorros (com remédios que utiliza normalmente)
. Canivete afiado
. Lanterna (com pilha sobressalente)
. Capa de chuva
. Cantil ou squeeze para água (caso faça caminhadas ou vá praticar esportes)
. Sacos e sacolas plásticas (para lixo e para guardar roupas e calçados sujos)
. Fósforos e um isqueiro sobressalente (bem fechados em um saco plástico)
. Filtro solar
. Cadeados pequenos (para trancar armários em albergues, a barraca e a mochila)


EMBORNAL
. Prato de plástico ou metal fundo
. Talheres (colher, garfo, faca)
. Caneca de plástico
. Pano de prato


MATERIAL DE HIGIENE

. Shampoo
. Condicionador
. Sabonete e esponja
. Pasta de dente (caso vá viajar por poucos dias, leve um tubo que já esteja usado)
. Escova de dente
. Fio dental
. Pente ou escova de cabelos (compre uma pequena para economizar espaço na mochila)
. Toalha de banho
. Toalhinha pequena
. Papel higiênico
. Absorventes
. Elásticos de cabelo
. Um pouco de sabão em pó ou um pedaço de sabão em barra


ROUPAS PARA OUTONO E PRIMAVERA

. Camisetas, blusas ou regatas (uma por dia)
. Calcinha e sutiã ou cueca (um por dia)
. Meia (um par por dia)
. Calça (jeans ou de um tecido que seja resistente e dê liberdade de movimentos. Prefira cores escuras.)
. Uma calça sobressalente
. Bermuda ou shorts
. Maiô/biquíni ou sunga
. Um sweater ou um casaco. Em época chuvosa, prefira um impermeável.
. Chinelo
. Tênis / bota de caminhada
. Calçado sobressalente
. Boné ou chapéu (protege do calor, faz sombra e também impede que, à noite, se perca calor pela cabeça).


VERÃO

. Coloque na mochila algum medicamento para queimaduras de sol.
. Leve roupas de tecidos leves e mais shorts e bermudas. Não se esqueça de levar também uma calça e um casaco leve, caso chova ou esfrie repentinamente.


INVERNO

. Tome por base a lista de roupas para primavera e outono e leve a mais:
. Blusões de lã (o ideal é que os blusões não sejam muito grossos e que você possa utilizá-los um por cima do outro caso faça muito frio)
. Camisetas de manga comprida ou blusa tipo segunda pele
. Casaco forrado (se possível com capuz)
. Touca de lã
. Meias mais grossas
. Blusa de gola alta ou cachecol para proteger o pescoço
. Minhocão ou meia-calça (para usar por baixo da roupa)
. Manteiga de cacau, lip balm ou batom (para pessoas com lábios sensíveis)
. Mesmo que seja inverno, leve um short ou bermuda e algumas camisetas de manga curta. Não esqueça do protetor solar e do hidratante.


MATERIAL PARA DORMIR

. Saco de dormir
. Isolante térmico, um pedaço de plástico de bolinhas ou folhas de jornal para impedir que a umidade que vem do solo atinja a sua "cama" e penetre pelas costas
. Cobertor (no inverno)


OPCIONAIS
. Máquina fotográfica, um saquinho plástico para guardá-la em caso de chuva (para economizar espaço, deixe o saquinho dobrado dentro da capinha da máquina)
. Caderninho de anotações e caneta
. Repelente de insetos
. Óculos de sol, de preferência com armação de plástico

Como arrumar a mochila

. Separe tudo o que você vai levar e coloque em cima da cama.
. Veja se dá para deixar alguma coisa em casa ou se dá para diminuir o peso da mala, trocando embalagens grandes de shampoo por outras menores, por exemplo. Se você vai ficar dois dias fora não há razão para levar um tubo de pasta de dentes cheio. Leve um que esteja aberto e assim por diante.
. Pegue sacos e sacolinhas plásticas para embalar as roupas e para colocar a roupa suja.

Há duas maneiras de arrumar uma mochila:

1) Empacotando em um saco plástico cada uma das mudas de roupa (meia, lingerie, bermuda/calça, camiseta).

2) Empacotando em sacos plásticos itens iguais: meia com meia, camiseta com camiseta, etc.

Estando tudo embalado (os plásticos protegem a roupa da chuva), comece a montagem da mochila:
Embaixo, coloque o saco de dormir, que deverá ter sido arejado uma semana antes. Enrole-o bem apertado para diminuir o volume.
Depois, coloque os sacos com as roupas leves (camisetas e bermudas) ou coloque as sacolas com as mudas de roupa.
Em cima delas, as roupas pesadas (calças, casacos e cobertores), os calçados e o embornal.
Em lugares de fácil acesso (como bolsos laterais), guarde o kit de primeiros socorros e tudo o que você possa precisar em uma emergência, como a capa de chuva, o material de higiene, a lanterna, a carteira com dinheiro e documento de identidade e os fósforos.

MANGUE SECO

As aventuras do Econativus não param, e a mais recente aconteceu no último domingo (10) onde o grupo pode apreciar as beleza da tão famosa Mangue-Seco que é uma pequena vila de pescadores em Jandaíra, município brasileiro do estado da Bahia, é a última praia no extremo norte do litoral baiano, fazendo fronteira com o estado deSergipe (a população não ultrapassa 200 habitantes). A beleza do local foi bem retratada na novela Tieta, veiculada pela Rede Globo e inspirada no romance Tieta do Agreste, de Jorge Amado. Localizada as

margens do Rio Real, na divisa da Bahia com Sergipe, está a 242 km deSalvador através da Linha Verde. No entanto, a forma mais prática de se chegar é via Aracaju. Com a inauguração em 2010 da Ponte Joel Silveira, que atravessa o Rio Vaza-Barris, pode-se seguir as praias via litoral Sul de Aracaju, seguindo-se a estrada até o Porto da Nangola no povoado do Porto do Mato. Neste local, é possível deixar o carro em um estacionamento,e por barco é feita a travessia do Rio Real para Mangue Seco. Por outro lado,vindo do de Salvador pela mencionada Linha Verde, siga até a cidade sergipana de Indiaroba pela SE-318 e dali por mais 12 km em estrada de terra até Pontal. Ali também pode-se deixar os carros estacionados e seguir de barco (mais ou menos 40 minutos atravessando o Rio Real) até Mangue Seco. Para quem vem de ônibus, o ideal é ir até Estância (SE) e daí tomar um outro coletivo até Pontal.

A dificuldade do acesso, exclusivamente de barco, através do Rio Real, é o que torna Mangue Seco mais atraente e a mantém naturalmente rústica. As poucas ruas são cobertas de areia fina e macia. Por toda a margem, espalham-sepousadas, bares, restaurantes e casas de pescadores, criando uma boa estrutura de apoio para os turistas. Apesar de famosa, a pequena vila tem, na realidade, o nome verdadeiro de Santa Cruz da Bela Vista.

Uma aventura bastante especial e diferente das trilhas que o grupo está acostumado a fazer na serras, essa tivemos travessia de barcos e passeio de bugre nas dunas.

Quem estiver afim de fugir do stress essa é uma boa opção de relaxamento em plena contemplação da natureza. Vale a pena conhecer Mangue Seco.

Até a próxima aventura

TRILHA NA SERRA DE ITABAIANA COM ALUNOS DO IFS

No último domingo (26) o grupo Econativus levou a turma do segundo período de agro-ecologia do IFS - Instituto Federal de Educação Tecnológica de Sergipe para

uma trilha cheia de aventuras na Serra de Itabaiana.

A intenção foi compartilhar com os alunos um pouco da beleza e encantos da tão querida serra. Os alunos aproveitaram muito bem o dia de lazer e mostraram ter uma grande afinidade com a natureza. Um dos momentos mais interessantes foi quando todos param para admirar a vista no alto da serra. Apesar da grand

e caminhada todos ficaram satisfeitos em conhecer a cachoeira Véu de Noiva, subir a tão emocionante raiz e se banhar nas águas geladas do Caldeirão. O Econativus aproveitou a oportunidade para reforçar a importância de manter sempre preservada nossa mãe natureza.

Um grande abraço

Até a próxima aventura.

VISITA AO PARQUE DOS FALCÕES - ITABAIANA - SERGIPE

No último domingo (29) o grupo Econativus fez uma visita ao Parque dos Falcões - Itabaiana, onde pode conhecer um pouco da história do Instituto. O Parque dos Falcões fica aproximadamente 45 Km de Aracaju, localizado aos pés da Serra de Itabaiana-SE, ao lado do Parque Nacional de Reserva Natural, o Instituto Parque dos Falcões foi construído através do trabalho e esforço de dois sonhadores, José Percílio e Alexandre Correia, e de alguns admiradores e colaboradores.Alexandre tornou-se "cúmplice" de Percílio no ano de 1999, mas a história do Instituto começou ainda na infância do fundador. Aos 7 anos, Percílio ganhou um ovo de Carcará (Caracara plancus), e depois de 28 dias sendo chocado por uma galinha, nasceu Tito, seu primeiro grande amigo. (Ano de 1984). Hoje, Tito tem 27 anos e o Instituto cuida de mais de 300 aves, entre gaviões, falcões, corujas, socós-boi, pombos, etc. Já conhecido por muitos turistas, estudantes, biólogos, e pesquisadores brasileiros e estrangeiros, o Instituto é um dos únicos locais do país com autorização do IBAMA para a criação dessas aves em cativeiro. (Ano de 1990). Com o objetivo de salvar e proteger as espécies de aves de rapina que habitam o céu brasileiro, o Instituto Parque dos Falcões tornou-se uma referência no manejo, reprodução e reabilitação desses animais, acumulando um grande conhecimento sobre o seu comportamento. Todos os meses, o Instituto recebe através do IBAMA, da Polícia Ambiental e do Corpo de Bombeiros, aves maltratadas, machucadas ou mutiladas pela ação humana, que parece satisfazer-se com o sofrimento desses e de muitos outros animais.
O Instituto Parque dos Falcões está aberto ao público todos os dias da semana. Para chegar ao centro conservacionista siga de Aracaju em direção à Itabaiana.
Depois de passar pelo município de Areia Branca (km-34), percorra aproximadamente 9 km. No lado direito, há uma placa indicativa sobre o Instituto. Entre por essa estrada (única parte do trajeto não asfaltado) e percorra mais 2,5 km. É indispensável agendar previamente a sua visita.

Ficamos muito satisfeitos com o que encontramos lá, várias aves muito bem tratadas em um ambiente bastante favorável a sua reprodução. Vale a pena conhecer e se encantar com a beleza daquele lugar.

Matéria adaptada do texto encontrado no site http://www.parquedosfalcoes.com.br/

Cachoeira do Saboeiro em Lagarto Sergipe

Quando for a Lagarto não deixe de conhecer a Cachoeira do Saboeiro no Povoado Saboeiro.
Saindo do município de Lagarto até o povoado Saboeiro são aproximadamente 25 km de estrada, uma trilha cheia de obstáculos e várias cancelas . Chegando nas proximidades da cachoeira é só descer se apoiando a um cabo de aço, aonde irá se deparar com a belíssima Cachoeira do Saboeiro bem no meio da vegetação e suas rochas bem escorregadias (aconcelhamos acompanhamento de um guia da região). A Cachoeira é conhecida pelo curioso nome devido a sua formação de argila e ao seu redor muito escorregadio. Tem uma beleza sem igual, com sua água doce um pouco puxada para salobra, suas águas vão parar no rio vaza barris logo a sua frente.
O Econativus mais uma vez em uma aventura, desbravando os lugares mais bonitos de nosso estado com intenção de mostrar aos internautas que entram em nossa página. Até a próxima trilha.

Um grande abraço

CONHEÇA ITACARÉ

Itacaré, bem no meio do litoral sul baiano, tem uma formação geológica única no Nordeste Brasileiro. A faixa costei

ra revela o encontro entre coqueiros, manguezais, praias de águas cristalinas, rios, cachoeiras, trilhas e a cidade com o povo espontâneo e sorridente que está em cada esquina confirmando as boas vindas.

Lá não faltam opções de diversão e lazer para qualque

r idade. Reconhecida como um dos melhores picos de surfe do Estado da Bahia, Itacaré recebe durante o ano todo gente do mundo inteiro, que vem desfrutar da energia que é estar em contato em tempo integral com a natureza seja nas praias, trilhas, cachoeiras ou passeios pelo Rio de Contas.

No fim da tarde um breve passeio pelo Centro Histórico da cidade encerra o dia de forma agradável e prepara os mais animados para o que vem depois.

A vida noturna de Itacaré é um capítulo a parte. Com mui

to reggae, forró e rock a cidade se ilumina e esquenta o comércio e o movimento dos bares e restaurantes. Itacaré mistura os ingredientes perfeitos para uma noite de agito e badalação: festas, música, gente bonita... tudo sob um lindo céu estrelado.

Fonte: http://www.itacare.com.br/


A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM PARA O MEIO AMBIENTE

A reciclagem é o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o papel, o vidro, o metal e o plástico. As

maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração.

O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização.

O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado material já beneficiado em outro. Um exemplo claro da diferença entre os dois conceitos, é o reaproveitamento do papel.

O papel chamado de reciclado não é nada parecido com aquele que foi beneficiado pela primeira vez. Este novo papel tem cor diferente, textura diferente e gramatura diferente. Isto acontece devido a não possibilidade de retornar o material utilizado ao seu estado original e sim transformá-lo em uma massa que ao final do processo resulta em um novo material de características diferentes.

Outro exemplo é o vidro. Mesmo que seja "derretido", nunca irá ser feito um outro com as mesmas características tais como cor e dureza, pois na primeira vez em que foi feito, utilizou-se de uma mistura formulada a partir da areia.

Já uma lata de alumínio, por exemplo, pode ser derretida de volta ao estado em que estava antes de ser beneficiada e ser transformada

em lata, podendo novamente voltar a ser uma lata com as mesmas características.

A palavra reciclagem ganhou destaque na mídia a partir do final da década de 1980, quando foi constatado que as fontes de petróleo e de outras matérias-primas não renováveis estavam se esgotando rapidamente, e que havia falta de espaço para a disposição de resíduos e de outros dejetos na natureza. A expressão vem do inglês recycle (re = repetir, e cycle = ciclo).

Como disposto acima sobre a diferença entre os conceitos de reciclagem e reaproveitamento, em alguns casos, não é possível

reciclar indefinidamente o material. Isso acontece, por exemplo, com o papel, que tem algumas de suas propriedades físicas minimizadas a cada processo de reciclagem, devido ao inevitável encurtamento das fibras de celulose.

Em outros casos, felizmente, isso não acontece. A reciclagem do alumínio, por exemplo, não acarreta em nenhuma perda de suas propriedades físicas, e esse pode, assim, ser reciclado continuamente.

Cores dos cestos de separação para reciclagem

No Brasil os recipientes para receber materiais recicláveis seguem o seguinte padrão:

Azul: papel/papelão

Vermelho: plástico

Verde: vidro

Amarelo: metal

Preto:madeira

Laranja: resíduos perigosos

Branco: resíduos ambulatoriais e de serviços de saúde

Roxo: resíduos radioativos

Castanho: resíduos orgânicos

Cinza: resíduo geralmente não reciclável, misturado ou contaminado, não sendo possível de separação.

Em Portugal, os recipientes de resíduos para reciclagem dividem-se em:

Azul: papel/papelão

Verde: vidro/vidrão

Amarelo: Embalagens de metal e plástico

Vermelho: pilhas/pilhão

Preto: orgânico e/ou nenhum dos anteriores.

Vantagens da reciclagem

Os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, como nos campos econômico e social.

No meio-ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de resíduos a produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e água; entre outros tantos fatores negativos.

No aspecto econômico a reciclagem contribui para o uso mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de re-aproveitamento.

No âmbito social, a reciclagem não só proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas, através das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres.

No Brasil existem os carroceiros ou catadores de papel, que vivem da venda de sucatas, papéis,alumínio e outros materiais recicláveis deixados no lixo.Eles também trabalham na coleta ou na classificação de materiais para a reciclagem. Como é um serviço penoso, pesado e sujo, não tem grande poder atrativo para as fatias mais qualificadas da população.

Assim, para muitas das pessoas que trabalham na reciclagem (em especial os que têm menos educação formal), a reciclagem é uma das únicas alternativas de ganhar o seu sustento.

O manuseio de resíduos deve ser feito de maneira cuidadosa, para evitar a exposição a agentes causadores de doenças.

No Brasil, a cidade que mais recicla seu resíduos é Itabira, em Minas Gerais. Na cidade, todos os bairros são atendidos por caminhões de lixo reciclados e orgânicos em certos dias da semana. Os dias de coleta são informados em todas as residências. A coleta seletiva passa de duas a três vezes por semana nas residências e prédios comerciais, enquanto a dos outros materias passa apena um dia.

Tipos de reciclagem

Reciclagem de aço

Reciclagem de alumínio

Reciclagem de baterias

Reciclagem de computadores

Reciclagem de embalagens longa vida

Reciclagem de entulho

Reciclagem de madeira

Reciclagem de metal

Reciclagem de papel

Reciclagem de plástico e embalagens

Reciclagem de vidro

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Reciclagem

Aventura na Chapada Diamantina

Foi com imensa satisfação que o grupo Econativus aceitou o convite do grupo Bagaçados para conhecer a belíssima Chapada Diamantina, assim pode desfrutar das belezas daquela região e mais uma vez vir até aqui no portal relatar para você como foi esta aventura. Imagine várias horas em pleno contato com a natureza, podendo curtir durante 3 dias, belas cachoeiras, cavernas, tirolesas, escorregadeira nas pedras, trilhas noturnas e muito mais belezas naturais que nos deixam sem nenhuma dúvida em contato com o Criador.

A aventura na Chapada Diamantina foi mesmo fascinante e cheia de surpresas. Veja como foi.

Logo no primeiro dia, após devidas acomodações na cidade de Lençóis, inicio-se nosso primeiro Trekking. O lugar escolhido foi o Ribeirão do Meio, uma trilha leve, a 45 minutos da cidade, onde pudemos nos banhar nas águas de um maravilhoso poço, perfeito para nadar. Aos mais ousados do grupo, o atrativo foi a descida emocionante no tobogã natural de pedras, conhecido como “escorrega”, lugar muito bonito que proporciona grande diversão. Logo após o almoço subimos a trilha do Serrano, um complexo formado pelo Rio Lençóis, suas piscinas e caldeirões naturais. Subindo um pouco mais encontramos o Poço Halley, próximo do Salão de Areia. Logo acima podemos conhecer o Mirante com uma vista excepcional, a Cachoeirinha e a Cachoeira da Primavera. À noite a chuva abençoou os trilheiros.

No segundo dia, acordamos bem cedo para curtir a gruta da Lapa Doce, que faz parte de um complexo de cavernas calcáreas e está localizada no município de Iraquara a 17 km da cidade de Lençóis. Entramos na gruta com o guia em grupos de 12 pessoas que é o máximo permitido. Encontramos na gruta da Lapa Doce formações de rara beleza, inclusive o efeito sobre um espeleotema (formação de caverna) provocado pelo desmatamento na superfície, que permite a entrada de água com argila. O resultado percebido são tons avermelhados em contraste com o branco da calcita.

A tarde do mesmo dia nosso grupo pode curtir flutuações e tirolesa na Pratinha, também localizado no município de Iraquara, dentro da Fazenda Pratinha, formada por rochas sedimentares que datam de mais de um bilhão de anos. A gruta da Pratinha é de uma exuberância de tirar o fôlego. Suas águas, abundantes são de um tom azul transparente que refletem um brilho prata proveniente do fundo da gruta encoberto de pequenas conchas claras e rico em calcário e magnésio. Nas águas, vivem cerca de dez espécies de peixes visualizados a olho nu. Em sua entrada, uma lagoa de águas cristalinas possibilita o banho e a prática de esportes como a tirolesa e o caiaque. O passeio foi incrível, entramos acompanhados de um guia que conduziu nosso grupo formado por 6 pessoas todos com máscaras, snorkel (para respiração), nadadeiras, lanternas e, ousados como somos, levamos uma máquina digital para registrar todos os momentos de aventura dentro da gruta. Fizemos tirolesa na Pratinha, a altura é de doze metros e a distância percorrida são emocionantes 70 metros, até um mergulho refrescante nas águas daquela lagoa. Neste mesmo dia houve uma inesquecível trilha noturna onde foi possível ver a Cachoeirinha muito mais cheia que o normal, uma aventura fantástica!

Terceiro e último dia, o coração já começa a ficar apertado, pois o que é bom dura pouco mesmo. Constatamos isso! Chegou a hora de conhecer o tão esperado Morro Pai Inácio, localizado no município de Palmeiras, ao lado da BR-242. Se a intenção é poupar as pernas de longas caminhadas, faça como fizemos, sigam com o carro por uma estrada até uma torre de telefonia. De lá, sigam a pé por uma trilha bem marcada por mais 20 minutos. Curiosidade: o nome do morro, diz a lenda, refere-se a um feito heróico de Pai Inácio, escravo que namorava às escondidas com a filha do coronel Horácio de Matos. Perseguido pelos capangas do coronel, Pai Inácio teria subido o morro e, sem ter para onde fugir, pulado com um guarda-chuvas aberto. Segundo a tradição popular, o escravo conseguiu sobreviver e escapar pelo vale. Chegamos ao topo que tem 1.120 metros de altitude e 300 metros de altura e que possui uma visão de 360° da Chapada mais completa e bonita do local. Encantamo-nos com sua flora, composta por bromélias, orquídeas, cactos e musgos, em lugares mais improváveis para se desenvolver, como as fissuras das rochas.

Após descermos o Morro do Pai Inácio entramos pela trilha do Orquidário, uma trilha de fácil acesso que nos leva a Cachoeira do Pai Inácio com cerca de 3 m de altura e um poço de águas geladas, envolto em mata ciliar.
O passeio não acaba por aqui, ainda estava faltando no roteiro a tão esperada tirolesa e o rapel no Rio Mucugezinho do Poço do Diabo, que ganhou este nome por dois motivos: as águas avermelhadas do rio Mucugezinho e a fúria sanguinária dos coronéis do garimpo, que jogariam ali os escravos fugitivos. A trilha até o banho lá embaixo pode ser percorrida em meia hora, mas a área merece mais tempo para ser desfrutada. Há um ótimo poço para nadar e mergulhar, com pequenas corredeiras servindo de hidromassagem e que também recebe a visita de macaquinhos. Quem preferir pernoitar conta com a Pousada Ecológica Oásis, com acomodações em caverna. Todos que participaram desta aventura sabem mesmo valorizar a natureza e têm uma coisa em comum definiram a Chapada Diamantina como um lugar fascinante e desejam logo voltar a explorar aquele lugar e contar o quanto é bom estar em contato com a natureza e entre amigos.

Um grande abraço do Grupo Econativus




Milhares participam do 3º Passeio Ciclístico

Recorde de ciclistas na comemoração dos 155 anos de Aracaju


Em clima de confraternização milhares de ciclistas invadiram as ruas da capital sergipana neste domingo, 14, para participar do 3º Passeio Ciclístico em homenagem aos 155 anos de Aracaju.

A concentração na Colina do Santo Antônio, reuniu ciclistas das mais diversas idades, esses sergipanos, turistas ou de diferentes estados do país que escolheram a capital sergipana para viver.

Unidos através do esporte e também do amor a Aracaju, eles partiram pelas ruas visitando os principais pontos turísticos da cidade, como o Mercado Municipal, a Ponte do Imperador, as praças Fausto Cardoso, Olímpio Campos e Tobias Barreto, Avenida 13 de Julho, bairro Jardins, Parque Augusto Franco (Sementeira) e Coroa do Meio, chegando à Passarela do Caranguejo, numa verdadeira aula de cultura e cidadania.

"O número de participantes superou todas as expectativas, pois passamos dos 2.800, inscritos através do Emsergipe.com, e pessoalmente neste domingo, tivemos muitas outras inscrições chegando a cerca de 3 mil participantes. O circuito todo foi repleto de confraternização e muita festa entre ciclistas de todas as idades", destaca Marieta Falcão, coordenadora da SMTT.

No final do passeio na Orla de Atalaia, os participantes concorreram a prêmios, além de curtir música de qualidade.


Fonte deste notícia: http://emsergipe.globo.com/esporteemsergipe/noticia.asp?id=37759

O grupo Econativus conferiu de perto este grande evento!