PEDRA DA ARARA, VALE A PENA CONHECER!!!



O bate-volta na Pedra da Arara Macambira foi muito legal e também cheio de contra-tempos, afinal sem aventura não tem graça nenhuma concordam?
Uma trilha muito eletrizante onde podemos contar com a presença de 20 motoqueiros com motos de diversas cilindradas. O passeio como sempre deixou todos encantados com as belezas naturais da nossa terra, todos puderam admirar o grande paredão rochoso chamado Pedra da Arara, que em alguns pontos chega a ter 150 metros de altura, ótimo para prática de rappel.
O clima estava ótimo e propício para banho, considerado pelo grupo um dos melhores momentos do passeio. Alguns contra-tempos marcaram a nossa viagem, dessa vez 3 motos dos colegas tiveram seus pneus furados isso atrasou um pouco a volta, mas nada que comprometesse o passeio, todos aprovaram a trilha e firmaram compromisso para outros eventos do Grupo Econativus.
Venha você também fazer parte dessa aventura.

Grande Abraço

Wagner Guimarães - Grupo ECONATIVUS


CACHOEIRA DO SABOEIRO, BELEZA ESCONDIDA


Mais uma vez a trilha entre amigos da cidade de Lagarto aconteceu na maior normalidade, assim o grupo Econativus acompanhado dos guias locais Humberto e Marcos percorreram a estrada que dá acesso ao Povoado Saboeiro no município de Lagarto, foi mais que emocionante visitar a bela cachoeira, dessa vez levamos um grupo forma
do por 13 motos e 1 carro para o banho de Cachoeira do Saboeiro e do Rio Vaza Barris, esses fizeram diferença.
O passeio dessa vez contou com uma novidade, foi um delicioso churrasco embaixo de uma grande árvore feito por nossos amigos da região, a galera se esbaldou na brincadeira.
Quem perdeu a aventura dessa vez, não se entristeça logo acontecerá outra.

Grande abraço

Wagner Guimarães - Grupo Econativus



TRILHA SERRA DE ITABAIANA TURMA DE BIOLOGIA DA UNIT



A trilha com os alunos do curso de biologia da Universidade Tiradentes foi realmente um sucesso, os alunos ficaram encantados com a beleza da belíssima Serra de Itabaiana, e não perderam tempo, logo tiram várias fotos para intensificarem seus estudos, aproveitaram o momento para entrar em contato com a natureza e se banharem nas águas geladas do Poço Encantado também conhecido como "Caldeirão".

O grupo Econativus mais uma vez agradece a participação de todos que curtiram esta aventura e coloca-se a disposição para novas trilhas.

Um forte abraço

Wagner Guimarães - Grupo Econativus

ÉTICA NO USO DA ÁGUA

A água é um recurso natural de valor inestimável. Mais que um insumo indispensável à produção e um recurso estratégico para o desenvolvimento econômico, ela é vital para a manutenção dos ciclos biológicos, geológicos e químicos que mantêm em equilíbrio os ecossistemas. É, ainda, uma referência cultural e um bem social indispensável à adequada qualidade de vida da população.

A conservação da quantidade e da qualidade da água depende das condições naturais e antrópicas das bacias hidrográficas, onde ela se origina, circula, percola ou fica estocada, fora de lagos naturais ou reservatórios artificiais.

Isso porque, ao mesmo tempo em que os rios, riachos e córregos alimentam uma determinada represa, por exemplo, eles também podem trazer toda a sorte de detritos e materiais poluentes que tenham sido despejados diretamente neles ou no solo por onde passaram.

Recentemente muito se tem falado a respeito da "crise da água", e especula-se sobre a possibilidade da escassez deste recurso vital se tornar motivo de guerras entre países. É preciso haver consciência de que, exceto no caso de regiões do planeta emque há uma limitação natural da quantidade de água doce disponível, na maioria dos países o problema não é a quantidade, mas sim a qualidade desse recurso, cada vez pior devido ao mau uso e à sua gestão inadequada.

Segundo o pesquisador Aldo Rebouças, professor titular do Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, USP, uma análise comparativa entre a disponibilidade hídrica e a demanda da população no Brasil mostra que o nível de utilização da água disponível em 1991 era de apenas 0,71%.

Mesmo para os estados mais populosos e desenvolvidos, como São Paulo e Rio de Janeiro, este índice também era muito confortável, estando por volta de 10%.Ou seja, a questão que se coloca diante de nós não é a disponibilidade ou falta de água, mas sim as formas de sua utilização que estão levando a uma acelerada perda de qualidade, em especial nas regiões intensamente urbanizadas ou industrializadas.

O pesquisador afirma que "o que mais falta no Brasil não é água, mas determinado padrão cultural que agregue ética e melhore a eficiência de desempenho político dos governos, da sociedade organizada lato sensu, das ações públicas e privadas, promotoras do desenvolvimento econômico em geral e da sua água doce, em particular".

A região metropolitana de São Paulo é um caso exemplar de má gestão dos recursos hídricos. Água há. Basta verificar, em qualquer mapa da cidade, os rios de bom tamanho como o Tietê e Pinheiros e mais de uma centena de rios menores e córregos correndo por toda a região.

Há, ainda, várias represas de grande porte como a Guarapiranga e a Billings e vastas áreas de mananciais que praticamente envolvem toda a metrópole. É, sem dúvida, uma região naturalmente bem servida de água. Mas a falta de planejamento e de responsabilidade tem provocado a contaminação dos rios, córregos e represas e a ocupação desordenada das regiões de mananciais.

Um estudo desenvolvido pelo Instituto Socioambiental, em parceria com diversas outras organizações não governamentais, mostrou que entre os anos de 1989 e 1996 a bacia do Guarapiranga perdeu 15% de sua cobertura vegetal, enquanto que o crescimento urbano foi da ordem de 50%.

Pior: mais de 60% da ocupação urbana registrada ocorreu em áreas que possuem sérias ou severas restrições ambientais. São encostas íngremes, regiões de aluvião ou várzea. Apenas 8,9% da mancha urbana se deu em áreas favoráveis. Os movimentos de terra, tais como abertura de estradas e terraplanagem, figuram no topo das ocorrências irregulares, respondendo por 21% dos 1 497 registros.

Para superar essa situação, é necessário substituir o modelo tecnocrata e utilitarista que imperou até hoje na gestão dos recursos hídricos no Brasil. Um modelo que ignora que a água de boa qualidade é um recurso finito e que prioriza certos usos, como geração de energia, saneamento e transporte, em detrimento de outros como abastecimento.


Fonte: Banas Ambiental - João Paulo Ribeiro Capobianco , biólogo, é coordenador de Programas do Instituto Socioambiental, especialista em Educação Ambiental pela Universidade de Brasília e doutorando em Agricultura e Meio Ambiente pela Universidade Estadual de Campinas, Unicamp/SP.


Os dez mandamentos para economizar água

Colabore, adote o Uso Social da Água

Evite o desperdício, seguindo os dez mandamentos.

1.No banho: Se molhe, feche o chuveiro, se ensaboe e depois abra para enxaguar. Não fique com o chuveiro aberto. O consumo cairá de 180 para 48 litros.

2. Ao escovar os dentes: escove os dentes e enxágüe a boca com a água do copo. Assim você economiza 3 litros de água.

3. Na descarga: Verifique se a válvula não está com defeito, aperte-a uma única vez e não jogue lixo e restos de comida no vaso sanitário.

4. Na torneira: Uma torneira aberta gasta de 12 a 20 litros/minuto. Pingando, 46 litros/dia. Isto significa, 1.380 litros por mês. Feche bem as torneiras.

5. Vazamentos: Um buraco de 2 milímetros no encanamento desperdiça cerca de 3 caixas d’água de mil litros.

6. Na caixa d’água: Não a deixe transbordar e mantenha-a tampada.

7. Na lavagem de louças: Lavar louças com a torneira aberta, o tempo todo, desperdiça até 105 litros. Ensaboe a louça com a torneira fechada e depois enxágüe tudo de uma vez. Na máquina de lavar são gastos 40 litros. Utilize-a somente quando estiver cheio.

8. Regar jardins e plantas: No inverno, a rega pode ser feita dia sim, dia não, pela manhã ou à noite. Use mangueira com esguicho-revólver ou regador.

9. Lavar carro: Com uma mangueira gasta 600 litros de água. Só lave o carro uma vez por mês, com balde de 10 litros, para ensaboar e enxaguar. Para isso, use a água da sobra da máquina lavar roupa.

10. Na limpeza de quintal e calçada USE VASSOURA - Se precisar utilize a água que sai do enxágüe da máquina de lavar.